Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Palavras ao vento

Este é o meu blogue! Uma espécie de diário, onde escrevo sobre a minha vida, partilhando os meus amores e desamores, os lugares por onde viajo e deixo sugestões sobre os melhores restaurantes e receitas. Inspiro o teu dia! ♡

Palavras ao vento

Este é o meu blogue! Uma espécie de diário, onde escrevo sobre a minha vida, partilhando os meus amores e desamores, os lugares por onde viajo e deixo sugestões sobre os melhores restaurantes e receitas. Inspiro o teu dia! ♡

Valoriza

A vida é boa, o mundo é um lugar bom, com as pessoas certas ao lado. Entre a amizade e o amor, consegues ter um grupo de pessoas excepcionais, e vou dar-te um conselho, aprende a sentir-te grata por isso, por teres essas mesmas pessoas ao teu lado, e mesmo que venha o que vier a caminho, mantêm-se ali de pés bem assentes no chão.

Valoriza cada sorriso que trocas com outra pessoa.
Valoriza cada beijo apaixonado, cada beijo carinhoso.
Valoriza cada abraço apertadinho que te dá aquele conforto tão bom de sentir. Valoriza cada gargalhada que dás.
Valoriza todas as tuas vitórias e derrotas.
E valoriza, muito, cada pessoa que tens ao teu lado, em cada momento da tua vida.

São essas pessoas que tornam a tua vida, o teu mundo, melhor todos os dias.
Demonstra o quando gostas delas, o quanto as amas, o quanto são importantes para ti.
Gosto de ti! Amo-te! És importante na minha vida!!


A minha escrita

Podia escrever sobre o lado bonito do amor, de como ele nos deve preencher por completo e como não nos devemos entregar a quem nos dá metade, mas maior parte dos meus textos são sobre o contrário. Normalmente, retrato o lado mais feio do amor, descrevo as despedidas, as lágrimas e tudo aquilo que fica em nós quando quem amamos vai embora. Escrevo isso porque a minha escrita não é para quem tem o peito sempre leve e a vida facilitada, é para quem cai e se está a tentar erguer, para quem tem pedaços seus espalhados por todo o lado e para quem viu o lado pior de amar, porque é esse tipo de leitura que eu preciso quando estou em baixo. Não quero ler sobre como devemos seguir em frente e como a vida é uma junção de histórias bonitas em dias que não consigo acreditar nisso. Quero textos que não me façam sentir sozinha e que me consigam tirar da minha boca palavras que andava a tentar dizer há muito tempo.

A minha escrita não é bonita, não fala de amores limpos nem de relações onde só existem borboletas e arco-íris porque das vezes que eu procuro ler para me sarar, eu quero encontrar um texto que entenda aquilo por que eu estou passar.
Os meus textos não são sobre superação nem sobre como alcançar a cura, não porque não acredito que seja impossível de alcançá-las, mas porque nos dias mais escuros que tenho, eu quero sentir que o meu peito carrega o mesmo que outras pessoas carregam e que eu não sou a única neste mundo a ter partes de mim cortadas e em ferida.
Escrevo aquilo que quem tem o coração partido tem medo de dizer em público, escrevo aquilo que não devia ser o amor, mas que
muitas vezes é ele.

Nós não somos perfeitos. Erramos, amamos, caímos e é isso que eu quero partilhar. A verdade que é ser humano e como é o amor que às vezes vivemos, mesmo que não seja simples e bonito, porque atire a primeira pedra quem nunca errou a amar, não amou erros e perdeu por erro. São os erros que fazem as minhas palavras crescerem e tornarem-se num texto porque eles estão na vida de cada um de nós.

Eu não poderia escrever sobre a perfeição se acho que ela não existe e quando acredito que quem está em dor também precisa de encontrar textos onde se pode encaixar.


Sê tu

Sê tu.

Aquela louca que ninguém compreende, mas que toma as decisões que lhe fazem mais feliz.

Aquela que ama sem medos, que se quebra, mas que volta a amar sem medos de novo.

Aquela que vive o hoje sem pensar no amanhã e que vê a vida como uma viagem em que o destino somos nós que escolhemos.

Aquela que grita na rua mesmo que todos olhem por achar que as suas palavras devem ser ouvidas.

Aquela que chora durante a noite toda sem travões por deixar o seu peito ser o que ele é.

Aquela que se despe de preconceitos e que não aceita críticas que não são construtivas.

Aquela que manda à merda quem lhe rompe o coração sem sequer pedir desculpa.

Aquela que continua o caminho mesmo sem saber para onde vai.

Aquela que hoje quer algo e amanhã outra coisa.

Aquela que pede comida num restaurante sem saber se gosta.

Aquela que sai de cabelo despenteado à rua e não liga aos olhares de desconhecidos.

Aquela que tem a alma esfolada, mas um sorriso no rosto por acreditar que tudo melhora.

Sê tu.

Aquela louca que ainda está a aprender a tomar as decisões que a fazem mais feliz sem pensar no que os outros irão opinar.

Aquela que ama com medos, que se quebra, mas que sonha vir a amar sem medos de novo.

Aquela que vive o hoje a pensar no amanhã e que vê a vida como um desafio que espera conseguir ultrapassar um dia.

Aquela que não grita na rua por vergonha, mas que não perde a sua opinião porque sabe que ela está corretas e que um dia irá sair de si sem receio.

Aquela que trava o choro, mas que tem começado a conversar melhor consigo mesma e que está a aprender a lidar com o seu peito.

Aquela que se rebaixa com as críticas do outros, mas que depois se relembra de quem é.

Aquela que está a aprender a mandar à merda quem lhe parte o coração sem pedir desculpa.

Aquela que sabe por onde vai mesmo que o seu rumo tenha mudado mais vezes do que pretendia.

Aquela que quer hoje algo e amanhã também.

Aquela que pede sempre a mesma comida no restaurante.

Aquela que não consegue sair de casa sem se olhar ao espelho mil vezes.

Aquela que tem a alma esfolada, mas que luta por ter um sorriso no rosto.

Sê tu.

Aquela com quem tu falas quando ninguém te pode ouvir.

Aquela que conversa contigo quando ninguém mais diz algo.

Aquela que és e que mais ninguém é.

Screenshot_20191004-204313_Weebly.jpg

 

Um dia aprendes

Um dia, aprendes a importância de recuar. de dar passos atrás para medir a que distância estás de ver o mundo melhor, a que distância estás de ti, das tuas verdades, das tuas pessoas-essenciais, do que te move e do que te apaixona. um dia, aprendes a importância de interiorizar e praticar o que realmente importa na vida: o que de bonito carregas dentro de ti e as pessoas-de-bom-coração que caminham ao teu lado. um dia, enches as mãos de sol e de esperança, renovas-te no mar que te entra alma adentro, seguras com força este leme que é a tua vida e repetes para ti mesma até saberes de cor, o quão grande é o lado de ti que acredita em finais felizes.


Leveza

Uma das decisões mais corajosas que podes tomar na vida é a de aprender a praticar o desapego. de pessoas tóxicas, de pessoas «calimero», de pessoas «vai-se andando», de pessoas que encontram sempre um problema para cada solução que tu lhes dás, e de pessoas que só sabem (porque só querem) ver o lado mau de tudo e de todos.

Pág. 1/12